sábado, 26 de junho de 2010

SÉRIE HISTÓRIA CRISTÃ: O PEREGRINO, DE JOHN BUNYAN


O Peregrino - A Viagem do Cristão da Cidade da Destruição para a Jerusalém Celestial é um livro escrito por John Bunyan e publicado na Inglaterra em 1687. O livro é uma alegoria da vida cristã. Bunyan relata, no prefácio e no posfácio, que escreveu O Peregrino como uma forma de alerta aos perigos e vicissitudes enfrentados na vida religiosa por aquele que seguem os ensinamentos bíblicos e buscam um caminho de perfeição para alcançar a coroa da Vida Eterna, citada no livro do Apocalipse na Bíblia. O Peregrino tenciona levar o leitor a refletir sobre como deve ser vigilante na vida terrena, simbolizada pela jornada de Cristão.

Desde sua publicação, o livro jamais deixou de ser impresso. Depois da Bíblia, este é o livro mais conhecido no meio cristão não somente de fala inglesa, mas de diversas línguas, inclusive na China, onde o governo comunista chegou a produzir 200 mil cópias que foram distribuídas em três dias.

O jovem peregrino chamado simplesmente Cristão, atormentado pelo desejo de se ver livre do fardo pesado que carrega nas costas, segue sua jornada por um caminho estreito, indicado por um homem chamado Evangelista, pelo qual se pode alcançar a Cidade Celestial. Na narrativa, todas as personagens e lugares que o peregrino depara levam nomes de estereótipos (como: Hipocrisia, Boa-Vontade, Sr. Intérprete, gigante Desespero, A Cidade da Destruição, O Castelo das Dúvidas, etc.) consoante os seus estilos, características e personalidades.
No ínterim, surgem-lhe várias adversidades, nas quais ele padece sofrimentos, chegando a perder-se, ser torturado e quase afogar-se. Apesar de tudo, o protagonista mantém-se sempre sóbrio, encontrando auxílio no companheiro de viagem Fiel, um concidadão seu. Mais adiante na trama, Fiel é executado pelos infiéis da Feira das Vaidades que se opőem à busca dos dois peregrinos. Contudo, Cristão acha um outro companheiro, chamado Esperançoso, que mais tarde lhe salvará a vida, e eles seguem a dura jornada até chegarem ao destino almejado.

A obra é uma alegoria contada como fosse um sonho, voltando-se sempre a extrair dos eventos narrados alguns ensinamentos bíblicos de forma simbólica, nos moldes das parábolas bíblicas. John Bunyan também aí infere certos fatos históricos do seu tempo, como a perseguição aos protestantes, em especial aos da denominação do autor.

O Peregrino foi escrito em uma linguagem simples, pura, cheia de expressões bíblicas e alegorias, que facilitam até ao mais inculto na compreensão desta que é uma das mais marcantes obras literária produzida pelo cristianismo.
O texto reflete a situação moral da sociedade inglesa do século XVII no tocante a fé. O peregrino relata, sobretudo, a história de fé do crente/cristão, apartir do momento da sua Conversão aonde se inicia uma caminhada na estrada da Salvação até sua chegada na Cidade Celestial (céu). Durante sua acidentada, mas interessantíssima viagem, o Cristão depara-se com personagens e alegorias que o perturbam ou o ajudam. Passa por diversos lugares (todos tem uma real significação na vida do crente), como o desfiladeiro do Desespero, o vale da Humilhação, a feira das Vaidades, o pântano da Desconfiança, a casa Prudência Carnal, a montanha da Lei, a aldeia da Moralidade, a terra da Vanglória, o caminho Estreito, a sala da Paz, o vale da Sombra da Morte, o Rio da Morte, e outros, até chegar á Cidade Santa. Encontra ainda personagens tão vividos, tão reais como o Evangelista, o Obstinado, o Flexível, o Auxilio, o Sábio-Segundo-o-Mundo, o Legalista e seu filho Urbanidade, o Boa Vontade, o Intérprete, Paixão e Paciência, o Simples, a Preguiça, a Presunção, o Formalista, a Hipocrisia, o Desconfiança, o Vigilante, Discrição, Prudência, Piedade, Fiel, Loquaz, e muitos outros.
Durante boa parte de sua caminhada, Cristão carrega sobre as costas um pesado fardo (que são os seus pecados) que automaticamente cai quando ele se acha diante da cruz de Cristo. Todos os percalços da vida cristã (as lutas emocionais, os conflitos teológicos, a luta da carne X e o espírito, as derrotas as vitórias) enfim, os dilemas que o crente enfrenta são retratados de uma maneira tão marcante, tão lúdica, que provam o porque do sucesso desta obra.
O Peregrino ou a viagem do Cristão á Cidade Celestial é a história de todo crente desde a sua conversão até sua chegada nos Céus.
O AUTOR: JOHN BUNYAN




John Bunyan (28 de Novembro de 1628 – 31 de Agosto de 1688, Londres), teve pouca educação escolar. Ele seguiu o seu pai no comércio de Tarish Tinker, e serviu no exército parlamentário de Newport Pagnell (1644–1647); em 1649 ele casou-se com uma jovem mulher. Viveu em Elstow até 1655 (quando sua esposa morreu) e então se mudou para Bedford. Ele se casou de novo em 1659.

Em sua autobiografia, Grace Abounding ("Abundante Graça"), Bunyan descreve a si mesmo como tendo conduzido uma vida abandonada em sua juventude; mas não existe nenhuma evidência que ele era pior que seus vizinhos: o único defeito que ele especifica é a profanação, além da dança e persuasão. O surpreendente poder de sua imaginação o levou a contemplar atos de impiedade e profanação, e a uma vívida realização dos perigos por eles envolvidos. Em particular ele era atormentado por uma curiosidade concernindo o "pecado imperdoável," e uma preposição que ele já o havia cometido. Ele continuamente ouvia vozes alertando-o a "vender Cristo," e era torturado por temerosas visões. Depois de severos conflitos espirituais ele escapou desta condição e se tornou um entusiástico e assegurado devoto. Ele foi recebido na igreja Batista em Bedford por imersão no rio River Great Ouse em 1653. Em 1655 ele se tornou um diácono e começou a pregar, com marcante sucesso desde o início.

Bunyan discordava fortemente dos ensinos da Sociedade dos Amigos e tomou parte, durante os anos 1656-1657, em debates escritos com alguns de seus líderes. Primeiramente, Bunyan publicou "Some Gospel Truths Opened" ("Algumas Verdades do Evangelho Abertas") na qual ele atacou crenças Quaker. O Quaker Edward Burrough respondeu com "The True Faith of the Gospel of Peace" ("A Verdadeira Fé do Evangelho da Paz"). Bunyan refutou o panfleto de Burrough com "A Vindication of Some Gospel Truths Opened" ("Uma Vindicação de Algumas Verdades do Evangelho Abertas"), respondida por Burrough com "Truth (the Strongest of All) Witnessed Forth" ("Verdade, A Mais Forte de Todas, Testemunhada Adiante"). Depois o líder Quaker George Fox entrou na rixa verbal publicando uma refutação à redação de Bunyan em sua obra "The Great Mystery of the Great Whore Unfolded" ("O Grande Mistério da Grande Prostituta Desvendado").

Em 1658 Bunyan foi processado por pregar sem uma licença. Não Obstante, ele continuou a pregar e não sofreu um aprisionamento até Novembro de 1660, quando foi levado à cadeia municipal de Silver Street, Bedford. Ali ele ficou detido por três meses, mas, por se recusar a se conformar ou desistir de pregar, seu encarceramento foi estendido por um período de aproximadamente 12 anos (com exceção de algumas poucas semanas em 1666) até Janeiro de 1672, quando Carlos II emitiu a Declaração de Indulgência Religiosa.

Naquele mês, Bunyan se tornou pastor da igreja de Bedford. Em Março de 1675, ele foi novamente aprisionado por pregar, desta vez no cárcere de Bedford, localizado na ponte de pedra sobre o rio Ouse, porque Carlos II havia anulado a Declaração de Indulgência Religiosa. (O mandado original, descoberto em 1887, foi publicado em fac-símile por Rush and Warwick, London). Após seis meses ele foi liberto e devido a sua popularidade, não mais foi molestado.


A caminho de Londres Bunyan foi acometido por um forte resfriado, e morreu de febre na casa de um amigo em Snow Hill no dia 13 de Agosto de 1688. Seu túmulo está localizado no cemitério de Bunhill Fields em Londres.

Bunyan escreveu O Peregrino em duas partes, a primeira foi publicada em Londres em 1678 e a segunda em 1684. Ele havia iniciado a obra durante seu primeiro período de aprisionamento, e provavelmente terminou-a durante o segundo período do mesmo. A edição mais recente em que as duas partes foram combinadas em um único volume foi publicada em 1728. Uma terceira parte falsamente atribuída a Bunyan apareceu em 1693, e foi reimpressa em 1852. Seu nome completo é The Pilgrim’s Progress from This World to That Which Is To Come ("O Progresso do Peregrino deste Mundo Àquele que está por Vir").

O Peregrino é considerado uma das mais conhecidas alegorias já escritas, e tem sido amplamente traduzido em diversas línguas. Missionários Protestantes geralmente o traduziam em primeiro lugar depois da Bíblia.

Outras duas obras de Bunyan são menos conhecidas: The Life and Death of Mr. Badman ("A Vida e Morte do Senhor Badman", 1680), uma biografia imaginária, e The Holy War ("A Guerra Santa", 1682), uma alegoria. Um terceiro livro que revela a vida interior de Bunyan e sua preparação para seu designado trabalho é Grace Abounding to the chief of sinners ("Abundante Graça para o chefe dos pecadores", 1666).

Fontes:

Um comentário:

weberth disse...

um lindo trabalho que contribui para buscarmos as nossas proprias experiencias com o Senhor para amadurecermos neste caminho vivendo a palavra a cada dia em obediencia amor e diciplina do Espirito Santo para bens pela postagem. mas temos que reter o que é bom pois o tristemunho de caio fabio em nada engandece o Espirito Santo espumando suas propias sujeira e com linguajar torpe ,Jesus não usaria este linguajar, sejai imitadores,cada um fale do que seu coração esta cheio